Artigos da 6ª Edição Nº 1 – Julho de 2009

A Igreja da Esperança
Por: Alonso Gonçalves

A Reforma Vista Por Um Olhar Marginal
Por: Luis Felipe Mendes do Nascimento

Observações literárias em Habacuque 3
Por: Luciano R. Peterlevitz

Um Profeta Relevante, Ontem e Hoje
Por: João Oliveira Ramos Neto

Romanos 12.6-8: Dons ou Graças?
Por: Dr. Mark A. Ellis

Apresentação da 6ª Edição Nº1 – Julho de 2009

 

Apresentação

Este é o primeiro número da 6ª Edição da Revista Theos. De forma sucinta, apresento abaixo os artigos.

No primeiro artigo, “A Igreja da Esperança: Eclesiologia e práxis pastoral em Jürgen Moltmann”, Alonso Gonçalves, continuando a temática de outro artigo publicado na 5ª edição, analisa a relevância da teologia da Esperança de Jürgen Moltmann para o contexto da Igreja brasileira. O autor nos desafia a desenvolvermos uma escatologia que antecipe as benções da consumação final do reino de Deus na terra, respondendo assim aos grandes problemas sociais da atualidade.

Em “A Reforma Vista Por Um Olhar Marginal (na Alemanha)”, Luis Felipe Mendes do Nascimento, dando seqüência a um texto já publicado na 5ª edição da Theos, propõe-nos a leitura na Reforma Protestante sob o prisma da marginalidade. Enfocam-se alguns personagens e movimentos que, embora periféricos, fizeram história na Alemanha e radicalizaram a Reforma naquele país.

O terceiro artigo é de minha autoria. Como uma reação às leituras que tentam a fragmentar o texto bíblico pela crítica literária, em Observações literárias em Habacuque 3” convido os leitores a uma análise da profecia de Habacuque que preze pela unidade textual. O salmo de Habacuque 3, que supostamente teve uma existência anterior ou posterior autônoma, só tem sentido para seus leitores quando examinado a partir do contexto político no qual estava o profeta Habacuque e a partir da relação literária com as capítulos precedentes.

No quarto artigo, “Um Profeta Relevante, Ontem e Hoje”, João Oliveira Ramos Neto desenvolve um estudo na profecia hebraica a partir do livro de Miquéias. Nota-se que a mensagem do profeta é uma reação às formas despóticas que prevaleciam em Judá no século VII a.C. Assim, a profecia de Miquéias tem grande aplicabilidade para os nossos dias.

O último texto é “Romanos 12.6-8: Dons ou Graças?”, escrito pelo Dr. Mark A. Ellis. O artigo analisa os ministérios e os dons alistados em Romanos 12, e oferece para os leitores da Revista Theos uma visão aprofundada do ministério apostólico de Paulo e sua relação com os dons dados aos crentes.

Por fim, agradeço aos autores que gentilmente colaboraram com seus textos. Certamente suas pesquisas alargarão os horizontes acadêmicos dos leitores da revista.

Luciano R. Peterlevitz